Para o diretor de negócios para a área de Governo da NEC no Brasil, Massato Takakuwa, a Tecnologia ganha um papel relevante na estratégia de segurança pública e privada. “A informação em tempo real passa a ser decisiva”, diz.

Por Ana Paula Lobo e Roberta Prescott 

 

Em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, o executivo diz que inovações estão chegando ao Brasil. Uma delas é o reconhecimento facial – que é a parte mais moderna com a identificação das pessoas por meio de algoritmos – está sendo testado nos principais bancos.

 

“Há a necessidade de se reconhecer o bandido como forma de combater os roubos e a fraude. Mas também há a necessidade de se entender melhor o cliente. O reconhecimento facial permite uma identificação imediata do correntista quando ele entra na agência e a imediata oferta de serviços personalizados”, exemplifica.

 

O diretor da NEC Brasil descarta a ideia de o Brasil estar atrasado na adoção das novas tecnologias de Segurança. ” O país vive momento bastante semelhante a outros do mundo. Há licitações importantes acontecendo para a compra de soluções de TI de última geração. O mercado de Segurança terá um 2015 bastante movimentado”, preconiza.

 

Isso porque, observa Takakuwa, várias secretarias de Segurança Pública estão buscando reforçar a Tecnologia. “O que era ficção, como o CSI,começa a ser uma prática nas polícias. É claro que podemos avançar muito, mas já há uso de TI na resolução de crimes”, afirma.

 

E no mercado privado, livre das amarras governamentais, as verticais financeira, indústria e comércio também começam a destinar orçamento para reforçar a análise de dados em prol da segurança. Assistam a entrevista com o diretor da NEC Brasil, Massato Takakuwa.

 

Fonte://convergenciadigital